Ao ler a embalagem de algum produto industrializado, talvez você já tenha reparado na palavra parabenos, compostos químicos presentes não apenas em produtos de beleza, mas também em alimentos e medicamentos.

Porém, muitas pessoas não têm conhecimento, e nem estão atentos à composição dos produtos que compram e, muitas vezes, não sabem dos riscos que podem estar correndo.

 

O que são parabenos?

De acordo com o Food and Drugs Administration (FDA) do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo dos EUA, os parabenos são uma classe de compostos químicos, normalmente utilizados como conservantes em preparações farmacêuticas, cosméticos e alimentos. Os tipos mais comuns são o metilparabeno, o propilparabeno, o etilparabeno e o butilparabeno.

Estas substâncias são frequentemente utilizadas com propósito de conservar e manter a integridade do produto, oferecendo ação antimicrobiana, evitando a proliferação de micro-organismos indesejados, como os fungos e bactérias, e protegendo o consumidor de infecções ou reações ocasionadas por produtos contaminados.

 

Perigo

No entanto, a presença em excesso pode desencadear uma série de problemas e, por isso, exige atenção dos consumidores.

O questionamento dos perigos dos parabenos para sua saúde surgiram após algumas pesquisas mostrarem indícios do uso destes conservantes com o desenvolvimento de certos tipos de câncer, como o de mama (em 2004, um estudo conduzido por oncologistas da Universidade de Reading, Inglaterra, com tecidos de mama cancerígenos, verificaram que 99% das amostras analisadas de pacientes haviam resquícios de parabenos).

Uma outra pesquisa, desta vez conduzida pelo Laboratório de Saúde Pública de Tóquio, em 2002, aponta que o propilparabeno, um tipo de parabeno, pode afetar (negativamente) a fertilidade de mamíferos.

Tudo isso porque o parabeno interfere no sistema endócrino e possui atividade estrogênica quando infiltrado em nosso corpo, o que significa que ele se passa por um hormônio. Por isso é considerado um disruptor (ou desregulador) endócrino.

Como não há informações conclusivas a respeito dos malefícios deste conservante, o bom mesmo é evitar produtos que contenham parabenos em sua composição.

No Brasil, existe um controle rígido e um limite estabelecido pela Anvisa, que estabelece limites máximos de parabenos nos produtos, com concentrações máximas de 0,4% de cada parabeno e um máximo de 0,8% de parabenos totais em cosméticos.

 

Cosmética sem parabenos

Seguindo o princípio da precaução, e, para protegermos dos perigos dos parabenos, a Adélia Mendonça Cosméticos oferece produtos de higiene e cosméticos enriquecidos com ativos naturais e biotecnológicos contemporâneos, livres de parabenos em suas formulações. Proporcionando assim, o que há de melhor dentro da biodiversidade em seus tratamentos faciais, se adaptando de acordo com as expectativas do nosso consumidores.

 

Compartilhar

Deixe o seu comentário

Responda: *