As manifestações, em defesa dos animais, contra empresas que os utilizam em testes de cosméticos para desenvolvimento de produtos, têm crescido nos últimos anos e tomado grande espaço na mídia. A conscientização dos consumidores sobre a evolução dos testes laboratoriais, reflete em uma procura cada vez maior por produtos de empresas responsáveis que visam abolir o uso de animais como cobaias.

A partir do final de 2019 não será mais permitida a comercialização no Brasil de cosméticos que tenham sido testados em animais, sendo assim, necessário que todas as empresas cosméticas se adaptem aos métodos que possuam alternativas reconhecidas, comprovando a segurança e eficácia do produto.

De acordo com a nova norma estabelecida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as empresas deverão se adequar dentro do prazo estabelecido, afim de abolir totalmente os testes em animais.

No Brasil o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), é o órgão responsável pelo reconhecimento de métodos alternativos, eliminando assim a crueldade a que estes animais são submetidos, partindo do pressuposto de que todos os seres vivos possuem direito à vida. Para isso, nosso país investe em estratégias como ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento de novos métodos, garantindo a todos cosméticos inovadores, benefícios e seguros comprovados.

Uma alternativa seria a realização dos estudos utilizando-se amostras de pele ex-vivo, onde se é empregado fragmentos de pele provenientes de cirurgias plásticas eletivas, simulando e monitorando os efeitos reais de um produto aplicado in-vivo. A análise dos impactos positivos para os animais obriga a sociedade repensar sistematicamente e pesquisar novas tecnologias, além de ilustrar a necessidade de entender mais sobre o processo pelos quais os produtos são produzidos.

 

A linha Adélia Mendonça Cosméticos com consciência e responsabilidade, sempre pautando pela ética e compromisso com os anseios da sociedade, investe em métodos científicos e tecnologias comprovadamente eficazes e seguras para o desenvolvimento de seus produtos, sem a necessidade do uso de animais para testes.

 

Fonte: Guilherme Jerônimo – parte do time de P&D e ministrante do IC – Instituto de Cosmetologia e Ciências da Pele.
Compartilhar

Deixe o seu comentário

Responda: *