Conhecido há milênios na África, onde suas propriedades são muito valorizadas, o produto só agora começa a ser difundido e apreciado no Ocidente para confecção de cosméticos, xampus e condicionadores, entre outros artigos.

O óleo de marula, é retirado das sementes do fruto da Sclerocarya birrea subsp Caffra da família das Anacardiaceae, a mesma das mangas. Seu cultivo data de dez mil anos e se estende a África do Sul até a Etiópia e o Sudão, onde é considerada uma das mais valiosas plantas selvagens da região.

Resistente à seca, a planta reproduz-se em abundância e sua fruta, branca, corpulenta e de sabor exótico é considerada nutritiva, aproveitada no preparo de bebidas, sucos e geleias. Foi justamente um licor cremoso, muito apreciado, que tornou a árvore famosa no mundo inteiro, com o nome de amarula, como é chamada em alguns lugares.

As africanas moradoras de áreas rurais quebravam com as mãos as nozes do interior da fruta da marula para separar as sementes que, depois de prensadas, produzem o óleo de coloração marrom clara e aroma suave.

Os nativos africanos utilizam esse óleo para proteger e curar peles rachadas, secas e danificadas. Até hoje, eles se beneficiam dos poderes medicinais da árvore. Sua casca é empregada como remédio para alguns males como dores de estômago, sarampo, febre, furúnculos e diarreia. Misturada a outras plantas medicinais, trata malária, sífilis, lepra e reumatismo.

 

Propriedades curativas e afrodisíacas

O folclore local diz que a árvore da marula tem propriedades afrodisíacas e que também ajudaria as mulheres a engravidar. Se, ao contrário, desejassem evitar a chegada de um bebê, bastaria pulverizar o pó das nozes sobre alimentos, como tempero.

As técnicas de extração do óleo são simples, consistindo na pressão e filtragem das nozes, sem adição de solventes, o que torna o produto final puro para aplicações cosméticas.

A fruta da marula ultrapassou as fronteiras africanas e começa a ser apreciada em outros lugares, especialmente por sua concentração de vitamina C, quatro vezes maior do que a da laranja. Sua polpa congelada se transforma em nutritivo suco. O licor de amarula integra o recheio de trufas e bombons, e também a receita de sofisticadas sobremesas.

 

Hidratante e emoliente eficaz

O uso cosmético do óleo de marula vai de sabonetes e outros produtos de higiene pessoal, xampus, condicionadores e máscaras para cabelos, a cremes e loções para hidratação da pele e maquiagem para olhos e lábios. Na África, existem várias linhas étnicas para cabelos feitas com óleo de marula, visando deixá-los brilhantes e fáceis de pentear. Ele se presta também à combinação com essências variadas como agapanto, baobá e lírio.

O óleo de marula apresenta a mesma eficácia cosmética dos de oliva e amêndoas. Pois ele contém ácidos graxos essenciais, com predominância dos ácidos linoleico (22%) e oleico (58%), componentes fundamentais para a saúde da pele.

Esta composição de ácidos graxos do óleo de marula o faz parecido com o de oliva. O alto conteúdo de óleos monoinsaturados sugere boa estabilidade oxidativa, ou seja, ele age como um antioxidante natural. Hidrantante, emoliente e umectante, ele é também responsável pela reposição da oleosidade perdida pelo cabelo ou pele quando expostos às agressões do meio ambiente. O óleo combina valor nutricional e estabilidade, tornando-o ideal para modernas fórmulas cosméticas.

O óleo de marula já é comercializado no Brasil, podendo ser encontrado também em produtos capilares prontos para o uso. Segundo especialistas, a substância, pura, é segura sob o aspecto toxicológico, podendo ser usada diretamente na pele. Por seu alto custo, no entanto, recomendam-se diluições de 1 a 5% nas fórmulas.

Além dos benefícios que oferece, e que fazem dele uma opção interessante para a cosmética, a origem africana do óleo de marula aproxima-o de nossas raízes ancestrais, acrescentando um toque exótico aos cosméticos.

 

 

Fonte: Revista Les Nouvelles

 

 

Compartilhar

Deixe o seu comentário

Responda: *