As radiações estão presentes em nosso cotidiano, e cada uma delas possui um comprimento de onda diferente e, consequentemente, energias diferentes também.

A radiação infravermelha (IR) é a parte de comprimento de onda longo da radiação solar que atinge a superfície da Terra. Ele é subdividido em IR próximo (760-1,400nm) e IR distante. Somente perto do infravermelho, também chamado de IRA, penetra profundamente na pele atingindo a hipoderme, enquanto maior comprimento de onda IR é absorvida na epiderme, produzindo calor.

Estudos recentes têm mostrado que a radiação infravermelha (IR) está envolvida no fotoenvelhecimento da pele, pois induz a formação de ERO nas mitocôndrias das células da derme e dos tecidos adiposos subcutâneos.

A radiação UV, que é de maior energia do que a radiação IR, induz efeitos fotoquímicos, como danos ao DNA. Além disso, sabe-se que a exposição da pele ao UV induz a expressão de metaloproteinases de matriz (MMPs), enzimas responsáveis pela degradação do colágeno e, portanto, pelo envelhecimento da pele. Em 2008, Krutmann et al mostraram que a radiação IR também induziu uma regulação positiva da metaloproteinase-1 de matriz (MMP-1) na pele humana.

Estudos recentes ainda demonstram que a radiação IR leva à formação de espécies reativas de oxigênio (ROS) nas mitocôndrias de células de fibroblastos. Parece que o IR é absorvido por componentes da cadeia de transporte de elétrons na membrana interna da mitocôndria.

Deste modo, formam-se ROS, as quais finalmente escapam para o citoplasma onde induzem a regulação positiva da expressão de MMP (figura 1). As mitocôndrias são organelas celulares e representam as potências em nossas células. Sua atividade respiratória, baseada na cadeia de transporte de elétrons, gera energia química na forma de adenosina trifosfato (ATP). A absorção da radiação IR na cadeia de transporte de elétrons afeta diretamente a produção de ATP. Tanto a expressão aumentada de enzimas MMP quanto a produção de energia comprometida nas mitocôndrias são responsáveis pelo efeito de envelhecimento da radiação IR.

TEC-INFRA’AGING: COMBATENDO O ENVELHECIMENTO TÉRMICO

 

Infra’Aging é um conceito que aborda o envelhecimento da pele induzido por IR (associado à radiação UV) e medidas para reduzir os danos desta radiação.

Sabe-se que quando em exposição direta à luz solar, a temperatura cutânea chega a cerca de 40°C. Neste momento ocorre a absorção de IR em calor, contribuindo para o fotoenvelhecimento e estimulação da produção de metaloproteínases (MMPs: endopeptidases que promovem a degradação da matriz extracelular). IR e UV degeneram as fibras e promovem perda de elasticidade e firmeza. A proteção dos danos solares nas fibras elásticas é necessário para preservar a saúde da pele.

 

Com a exclusiva Tec-Infra’Aging o resultado é uma pele totalmente protegida dos danos de IR.

 

  • Único anti-idade com atividade da inibição da Catepsina G, modulando a MMP induzida pelo sol;
  • Inovadora estratégia para sinais de envelhecimento causados por exposição ao sol: IR – envelhecimento induzido e termal;
  • Excelentes resultados na melhora da firmeza e elasticidade cutânea e na redução do aparecimento de rugas.

APOIO GERAL DE MITOCONDRIA

Conforme descrito na introdução, a absorção da radiação IR compromete a eficiência e, portanto, a produção de energia celular. Os resultados do estudo clínico demonstraram definitivamente a relevância in vivo da exposição a IR no envelhecimento da pele.

Após quatro semanas de cultura, o nível de energia celular (ATP) da epiderme em um meio de controle foi reduzido em comparação com a epiderme recentemente reconstruída. Mas a epiderme cultivada no extrato de brotos de girassol continha significativamente mais ATP. Esta é uma forte indicação para melhorar a eficiência das mitocôndrias e, portanto, para a proteção da pele contra o IRA.

 

PROTEÇÃO COMPLETA DE MITOCONDRIA

Utilizaram-se células fibroblásticas humanas primárias como um modelo celular para demonstrar que Tec-Infra’Aging pode bloquear a produção de ERO celular mitocondrial e total após radiação IR. Um corante fluorescente serviu como uma sonda para detectar os radicais livres. As células foram expostas a radiação IR durante uma hora a 33 °C na presença ou não (controle) de Infra’Aging. Imediatamente, a fluorescência foi registada durante 60 minutos num leitor de microplacas. Nas células de controle, a radiação IR induziu um aumento de ERO mitocondrial de 82%.

O tratamento com Infra’Aging não só protegeu completamente as mitocôndrias contra a exposição à radiação IR, como também diminuiu a concentração de EROs muito abaixo do nível de células não expostas. A microscopia de epifluorescência foi utilizada para analisar células individuais para o conteúdo de DNA mitocondrial. Foi utilizado um corante fluorescente para marcar o DNA mitocondrial após exposição à radiação IR. Em comparação com as células não irradiadas, uma hora de exposição a IR reduziu o conteúdo de DNA mitocondrial em 21%.

Na presença da Infra’Aging, o conteúdo de DNA foi reduzido apenas em 8%. Quanto ao ROS celular total, foi detectado um aumento de 89% nas células de controlo, enquanto que nas células tratadas o aumento foi de apenas 19%.

Conforme mencionado no primeiro parágrafo, a formação induzida por radiação IR de ERO mitocondrial foi encontrada para causar a regulação positiva da expressão de MMP. Experimentos feitos com células primárias de fibroblastos humanos mostraram que Infra’Aging pode prevenir completamente a formação de MMP-1 após exposição à radiação IR.Utilizou-se dexametasona como controlo positivo.

 

Não só a radiação UV mas também a radiação IR é responsável pelo fotoenvelhecimento da pele. Considerando que os raios UV podem danificar diretamente as moléculas, o efeito do IRA é indireto. IRA penetra muito mais profundamente na pele, para baixo da derme e no tecido adiposo subcutâneo, onde induz a formação de ERO nas mitocôndrias.

As consequências são:

  1. Comprometimento mitocondrial;
  2. Síntese de MMP enzimas, que degradam as fibras de colágeno e elastina.

 

Associada à luz visível, a radiação infravermelha (IR) é um dos principais fatores envolvidos na geração de calor dos raios solares, que aumentam a temperatura da pele durante sua exposição ao sol. Esse aumento da temperatura da pele é considerado um grande estímulo extracelular, que pode levar à deficiência de colágeno e à formação de rugas. A este envelhecimento estimulado pela absorção cutânea de IR damos o nome de envelhecimento térmico.

Dados científicos demonstram que a LV corresponde a aproximadamente 43% do total da energia radiante do sol. Do restante, 49% estão no IR e 7% apenas, no ultravioleta (UV).

A Adélia Mendonça Cosméticos traz uma nova abordagem contra o fotoenvelhecimento cutâneo, SUN SCIENCE – protetor solar de amplo espectro FPS 40/PPD +++, com 12 horas de proteção. Desenvolvido com tecnologia altamente especializada dentro dos conceitos mais modernos da dermocosmiatria.

Possui ampla proteção UVA e UVB, que protege contra os efeitos nocivos do sol. Reduz os efeitos cutâneos induzidos através da exposição direta a radiação Infravermelho (IR). Atua também eficazmente na absorção da radiação emitida pelos comprimentos de onda da luz azul, encontrada nas telas de celulares, computadores, televisores e nas lâmpadas, através da exclusiva proteção DNA fuller para rejuvenescimento digital. Mediante ao seu alto efeito detoxificante, age sobre os resíduos cumulativos gerados pela poluição urbana.

Conheça o protetor solar do futuro com blindagem facial total.

 

Acesse: www.compreadeliamendonca.com.br

Compartilhar

Deixe o seu comentário

Responda: *